O que é Internet das Coisas?

Já imaginou uma casa que repõe as compras sozinha e se adapta a temperatura de acordo com suas preferências? Um carro autodirigível? Uma máscara de dormir que garante a qualidade do sono? Pulseira que monitora sua saúde e evita problemas? Essas e outras invenções que pareciam ser improváveis há algumas décadas atrás, hoje em dia, é possível graças a “Internet das Coisas”.

A Internet das Coisas, do inglês Internet of Things (IoT), é a ideia da unificação do “mundo virtual” com o “mundo real” por meio de dispositivos e sensores que se comunicam uns com os outros e que possuem os dados salvos em data centers e nas nuvens. Isso permite que as pessoas fiquem em constante interação com outras pessoas ou objetos.

O termo começou a ser discutido em 1991, que foi quando a conexão TCP/IP e a Internet começou a tomar grandes proporções. Mas o termo só foi proposto alguns anos depois por Kevin Ashton, pioneiro tecnológico do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), que dez anos depois escreveu o artigo “A Coisa da Internet das Coisas” para o RFID Journal.

De acordo com Ashton, o objetivo era criar um sistema global onde o registro de bens fosse feito usando uma numeração única chamada Electronic Product Code, dessa forma com esses registros, poderiam otimizar, economizar e reduzir o uso de recursos energéticos e naturais. A rotina e a falta de tempo irão fazer com que as pessoas se conectem de forma diferente com a Internet, por meio das coisas.

Hoje em dia, a Internet das Coisas já começa a fazer parte do nosso presente, e são muitos os objetos conectados como: carros, geladeiras, elevadores, óculos, vestuário e afins. E focando nessa usabilidade as empresas estão criando iniciativas para unificar a Internet das Coisas. Foi o que fez as empresas Dell, Intel e Samsung se unindo para padronizar suas conexões em um só grupo denominado Open Interconnect Consortium (OIC).

A padronização se faz necessária uma vez que, por exemplo, os carros comecem a disponibilizar aplicativos para otimizar o fluxo nas ruas, o sistema de controle irá ter dificuldades para funcionar se cada fabricante adotar um padrão de comunicação diferente, isso não vai garantir o pleno funcionamento do dispositivo.

A estimativa é que até 2020 essa onda de Internet das Coisas conecte mais de 30 bilhões de dispositivos. Essa nova tecnologia está sendo desenvolvida a fim que otimizar a vida das pessoas, uma vez que as coisas inteligentes são capazes de antecipar as necessidades. Durante as últimas décadas as pessoas, objetos e até natureza emitem uma enorme quantidade de dados invisíveis e o IoT chega para mudar essa realidade.

Com as coisas tendo inteligência e interconectando o acesso aos dados vão se transformando em informações e tornando visível aos olhos. Um exemplo do que nos espera no futuro é o protótipo Mobii, que está sendo desenvolvido pela Intel e pela Ford, a tecnologia pretende que uma câmera faça o reconhecimento do rosto do motorista, assim conhecerá suas preferências e cotidiano, com isso oferecerá recomendações de músicas e orientações de lugares do GPS. Caso o carro não reconheça o usuário, ele tira uma foto e aciona o dono para evitar furtos.

A Internet das Coisas reúne um mar de informações e conhecimentos, com isso a sociedade tende a ficar mais eficiente, podendo aumentar a produtividade e melhorar a qualidade de vida de todos e de nosso planeta. Esse novo segmento é animador e surpreendente com as possibilidades capaz de criar. Vamos acompanhando de perto e vendo essa tecnologia invadir nossas vidas.